terça-feira, 28 de junho de 2011

Porque eu acredito em espíritos




Desde criança sempre acreditei na existência de espíritos e na sua interferência em nosso mundo.

Ao conhecer a Doutrina Espírita e estudar os seus fundamentos é que obtive provas para mim inequívocas da continuidade da vida após o fenômeno natural da morte do corpo de carne.

Chico Xavier em sua vivência além de ter sido verdadeiro apóstolo do Cristo na Terra, deu inúmeras provas da imortalidade humana. As cartas familiares que ele psicografava comumente eram recebidas sem sequer o destinatário ter conversado com o médium, sendo que algumas vezes o destinatário das mesmas nem estava presente na reunião! Tudo isso podemos verificar em livros que relatam a vida do médium mineiro.

Os três casos em que cartas psicografas pelo Chico serviram como subsídio probatório em processos criminais constituem provas científicas da existência de espíritos, vez que tais cartas passaram por análises grafoscópicas - ou seja, uma análise criteriosamente científica -, tendo sido concluída que tais missivas tinham a letra e assinaturas dos "mortos" que a escreveram. Fato este que culminou na edição do livro "A Psicografia à Luz da Grafoscopia", do perito em grafoscopia Carlos Augusto Perandréa, que analisou diversas mensagens recebidas pelo Chico, concluindo pela veracidade das mesmas.

Ademais, o Espiritismo e o fenômeno mediúnico no século XIX passaram por várias experiências, a maioria feita por cientistas que queriam provar a inexistência das manifestações espirituais e que acabavam por se convencer do oposto.

Dentre as mais famosas, tem-se as pesquisas feitas na Inglaterra pelo físico-químico Willian Crookes (descobridor do elemento tálio, dos raios catódicos, etc), que conduziu experimentos por meio da médium Florence Cook, onde se obtinha a materialização de espíritos, dando prova cabal da continuidade da vida após a morte.

César Lombroso, considerado o "pai da Criminologia", também se interessou pelos fenômenos mediúnicos e na tentativa de provar sua inexistência, acabou convencido do fenômeno, tendo escrito, dentre outros, o livro "Hipnotismo e Mediunidade", fruto de longo trabalho em que o autor comprovara a existência e comunicabilidade dos espíritos.

Em Uberaba, o médico psiquiatra Inácio Ferreira conduzia curas prodigiosas a vários pacientes que sofriam de transtornos ditos psiquiátricos por meio da terapia espírita (muitas sem o uso de qualquer medicamento), provando que não só eles estavam, na verdade, sofrendo de obsessão espiritual, mas acima de tudo que espíritos existem!

Estas são, em suma, algumas das pesquisas e fatos que para mim provam de maneira clara a existência de espíritos. Porém, para aquele que não quer ver, por mais que a luz lhe acerque a visão, esta só conseguirá ofuscar-lhe ainda mais a vista.

Entretanto, mais importante do que acreditar nos espíritos que o Espiritismo prova existirem, é acreditar e VIVENCIAR o espírito do Espiritismo, pois que este é a essência do próprio Cristianismo de Jesus, que volta, revivido pelas luzes do Consolador Prometido, para vir de encontro as nossas necessidades morais, abrindo o caminho da melhora da humanidade, quando, sobretudo, coloca como sua flâmula os dizeres "Fora da Caridade Não Há Salvação", ou, em outras palavras, fora do amor ao próximo não existe futuro feliz para ninguém!

Nenhum comentário: